NÃO-ESTACIONARIEDADE É INEVITÁVEL! CAUSAS DAS RECENTES MUDANÇAS DE VAZÃO NO BRASIL

Autores

Vinícius Bogo Portal Chagas, Pedro Luiz Borges Chaffe

Resumo

Mudanças nas séries de vazão são frequentes e interferem na segurança hídrica do Brasil. Porém, não-estacionariedades nos tributários das maiores bacias do país foram pouco exploradas e suas causas são incertas. Este trabalho buscou: (i) avaliar tendências de vazão no Brasil, de 1980 a 2015; (ii) investigar as causas das tendências na vazão média, máxima, e mínima anual no Brasil. Foram analisadas tendências em 779 estações fluviométricas com a declividade de Theil-Sen. As causas das mudanças na vazão foram investigadas com regressão multivariada e classificação de bacias. Os resultados mostram que 80,5% das bacias tiveram tendências significativas na vazão média, máxima, ou mínima anual. Reduções na vazão predominaram no Cerrado e Semiárido. Houve aumentos da vazão no norte e oeste da Amazônia. Mudanças na vazão média no Brasil foram causadas por, em grau de importância: mudanças na chuva, demandas hídricas, e mudanças na evapotranspiração. Tendências na vazão máxima foram associadas a chuva e evapotranspiração mensal. Mudanças na vazão mínima foram direcionadas por duas variáveis com pesos semelhantes: balanço de chuva e evapotranspiração anual, e demanda hídrica. Construções de reservatórios e desflorestamentos pouco mudaram a vazão. Mudanças na vazão são generalizadas, devendo ser consideradas na análise da segurança hídrica do Brasil.

Compartilhe

Autores

  • infoVinícius Bogo Portal Chagas

    Instituição

    Universidade Federal de Santa Catarina

    Departamento

  • infoPedro Luiz Borges Chaffe

    Instituição

    Departamento

Palavras-chave

Vazão, Tendências, Brasil

Tema

Estudos hidrológicos em escala regional, nacional e continental

Evento

XXIII SBRH - Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos

Publicação